março 2003


O Testemunho do Trem

A mensagem de Deus em um vagão. Eu estava viajando de trem, como de costume, procurei um vagão já conhecido, sendo eu cristão, gosto das pregações que ocorrem

no dia-a-dia, mas me surpreendi com que ocorreu neste dia que marcou muito a minha vida. Havia um pregador naquele trem que anunciava insistentemente a mensagem de Salvação através de Jesus, podia-se notar que ele estava revestido do poder de Deus, mas algo ali de diferente estava acontecendo, pois este pregador estava mesmo atingindo o coração de muitas pessoas, mas um passageiro parecia não estar satisfeito com a sua pregação e o ameaçou claramente diante de todos, avisando que se ele não parasse de pregar, sofreria as conseqüências. Ele não parou de falar de Deus e desta tão Maravilhosa Salvação. Por esta insistência foi novamente ameaçado por este homem que tinha uma criança no colo, tendo passado algumas estações e continuando as ameaças, aquele homem deixou de ser ameaçador para tornar-se um grande agressor. Diante de todos os que se encontravam naquele vagão, onde já era possível notar claramente que muitos ali eram conhecedores da Palavra de Deus, (pessoas afastadas do Evangelho), do Pai, e outros que estavam interessados, aquele homem, mesmo com uma criança no colo, (um menino), levantou-se e deu um tapa na face do pregador deixando todos em estado de alerta e com toda certeza, assustados devido a situação, eu me encontrava como eles, mas em espírito de oração para que

aquilo não se agravasse mais ainda, mesmo assim, logo após ter dado o primeiro tapa na face do servo de Deus, o agressor já se preparava para aplicar um soco com uma força muito maior e no momento em que ele ia executar tal ação, seu filho, que até então encontrava-se quieto disse:

“Pai, não bate nele não”.

Sem nenhuma explicação o homem até então violento, prostrou-se de joelhos diante do pregador dizendo:

“Eu quero conhecer este Jesus que você está falando, quero aceita-lo como meu Salvador”.

Não entendendo nada, o homem de Deus perguntou a Ele:

“Você acabou de me dar um tapa na minha face e agora quer aceitar a Jesus como seu Salvador? Porque Isto?”.

E o homem sem demora respondeu para espanto e admiração de todos:

“Meu filho que pediu que não batesse em você…ele era mudo!”

Este é o Deus do Impossível, mostrando Sua Glória através de um testemunho presenciado pelo seu servo, Marcos, em um trem do subúrbio. Ele está onde nós desejamos tê-lo e nos abençoa mediante a nossa fé e conduta cristã e até através dos céticos, mostra o seu Poder e Misericórdia.

Anúncios

As origens do conflito

A Guerra do Golfo, em 1991: uma disputa que jamais foi encerrada

Estados Unidos e Iraque iniciaram seu conflito em agosto de 1990, quando Saddam Hussein ordenou às tropas de seu país a invasão do Kuwait. Os americanos desaprovaram a ação iraquiana, montaram uma coalizão militar com países aliados e expulsaram os soldados de Saddam do Kuwait. A guerra, porém, jamais terminou de fato – desde então, dezenas de ataques foram lançados no Golfo Pérsico.

Em abril de 1991, com as tropas iraquianas já derrotadas pelos americanos, uma resolução da ONU determinou uma trégua no conflito e ordenou o desarmamento de Saddam Hussein. Desde então, o líder iraquiano resistiu às ordens externas, impôs obstáculos aos inspetores estrangeiros, evitou desmontar seu arsenal e desafiou os americanos. Foram onze resoluções da ONU, todas ignoradas.

Ataques – Entre 1991 e 1998, três grandes operações militares atingiram o Iraque como retaliação à postura de Saddam. Em 1993, aviões americanos, ingleses e franceses atacaram o país; em 1996, os EUA lideraram a operação Ataque no Deserto; em 1998, os americanos lançaram outra operação, Raposa do Deserto. Além disso, vários ataques aéreos esporádicos atingiram alvos dos iraquianos.

Entre 1998 e 2001, a ONU tentou retomar as inspeções de armas no Iraque, mas fracassou. O tema só retornou à pauta prioritária dos americanos em 11 de setembro de 2001, depois do maior atentado terrorista da história. A posição do governo George W. Bush diante das ameaças externas mudou. Em 2002, Bush anunciou oficialmente que a doutrina de seu país será de atacar antes de ser atacado.

Justificativa – O Iraque é o primeiro alvo da política americana de ataques preventivos em função do histórico de conflito com o país e dos fortes indícios de que tem armas de destruição em massa. De acordo com os americanos, as armas químicas, biológicas e nucleares supostamente mantidas por Saddam poderão ser usadas contra vizinhos árabes ou até contra alvos americanos dentro e fora do país.

O governo Bush discute a possibilidade de atacar o Iraque desde o fim da guerra no Afeganistão. Durante o ano de 2002, o presidente americano realizou dezenas de consultas aos países aliados, pressionou pela aprovação de uma resolução na ONU e ordenou a preparação de planos de guerra caso Saddam Hussein volte a desafiar ordens externas. Em novembro, os inspetores retornaram a Bagdá.

(Fonte/Veja)



“Não aceitaremos nenhum resultado que não a vitória



(Fonte/Uol)

HOJE É ANIVERSÁRIO DA BETY!!!!!!!!





Desejamos que todos os teus sonhos se realizem em concordância com a vontade de Deus para a tua vida. E, neste ano, que é o ano do favor do Senhor, certamente você receberá tudo o que Deus tem preparado para você. Então, prepare-se. Que Deus a abençoe rica e poderosamente.